Ética Profissional

Recentemente tive uma aula muito boa sobre ética profissional na área de TI.

Á ética na área de TI é dificultada por vários fatores. Um deles, talvez o mais agravante, é o fato de que qualquer pessoa poder trabalhar na área, inclusive pessoas sem um curso superior.  Outro problema grave é que no Brasil não existe um código de ética oficial como em outras áreas, por exemplo:  medicina e direito.

A promiscuidade e falta de confiança nos profissionais de TI está intimamente ligada a falta de ética na nossa área.

Por não ser uma profissão regulamentada, não existe nenhum órgão que efetivamente seja responsável por fiscalizar e zelar pelo bom desempenho profissional na nossa área.

Desta forma, está na mão de cada um, por em prática a ética profissional.

Infelizmente, hoje, é muito comum na área da computação um profissional praticar um ato desonesto ou desonrado sobre algum cliente, sistema ou até mesmo sobre outro profissional.

A área da computação está presente hoje em praticamente todas as outras áreas de conhecimento. Normalmente, um profissional de TI possui um conhecimento muito grande sobre um negócio ou problema, tem acesso a informações sigilosas e, não raro, existe uma grande dependência da nossa área por parte dos profissionais de outras áreas.

Por consequência, atitudes como quebra de sigilo, revelação de dados de negócio de uma empresa para outra concorrente, pirataria,  e todo tipo de má conduta é algo comum na área da computação.

Existem algumas sociedades que já discutiram e até mesmo elencaram uma série de “imperativos” considerados como uma boa prática para o bom profissionalismo para a área de TI. Talvez o mais expressivo seja a ACM (Association for Computer Machinery), sociedade americana que propôs um Código de Ética e Conduta Profissional, em 16/10/1992.

Todo profissional da área de TI deveria ao menos ter conhecimento deste código de ética. Não só isso: todo profissional deveria praticar os imperativos propostos por este código de ética.

Alguns dos imperativos propostos:

1 – CONSIDERAÇÕES ÉTICAS FUNDAMENTAIS

1.1 – Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano

O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar do indivíduo e da sociedade como um todo. Assim, profissionais da computação devem estar comprometidos a desenvolver, expandir e usar a sua ciência para o benefício da humanidade, minimizando as conseqüências negativas dos sistemas de computação, incluindo ameaças à saúde e segurança. Um profissional da computação que projeta e desenvolve sistemas deve estar alerta e alertar os outros para qualquer dano ao ambiente local ou global.

1.2- Evitar de prejudicar outros.

Este princípio proíbe o uso da tecnologia se esta resultar em dano a: usuários, estado, empregados, empregadores. Ações nocivas incluem destruição ou modificação intencional de arquivos e programas que conduzam a séria perda de recursos ou gasto desnecessário de recursos humanos como o tempo e esforço requeridos para eliminar “virus” de sistemas. Para minimizar a possibilidade de prejudicar outros indiretamente, os profissionais da computação devem minimizar problemas operacionais usando padrões para projetar e testar sistemas.

1.3- Ser honesto e digno de confiança.

O profissional honesto não deve fazer declarações falsas ou queixas depreciativas sobre um sistema ou projeto de sistema. Um profissional da computação deve ser honesto a respeito de suas próprias qualificações e sobre quaisquer circunstâncias que possam levar a conflitos de interesses.

1.4- Ser imparcial e realizar ações sem discriminação.

Os valores de igualdade, tolerância, respeito pelos outros, e os princípios de justiça igualitária governam este ítem. Discriminações na base de qualquer característica social como raça, sexo, religião, idade, invalidez ou origem não será tolerada. Em uma sociedade justa, todos os indivíduos devem ter igualdade de oportunidades e de benefícios do uso de recursos computacionais, a despeito de suas características.

1.5- Honrar direitos de propriedade incluido copyrights e patentes.

Violação de copyrights, patentes, acordos de licenciamento é proibida por lei na maioria das circunstâncias. Mesmo não havendo proteção, estas violações são contrárias ao comportamento profissional.

1.6- Conceder créditos apropriados para propriedades intelectuais.

Profissionais da computação são obrigados a proteger a integridade da propriedade intelectual. Especificamente, não é permitido usar idéias de outros ou obter créditos por trabalho de outros, mesmo em casos onde o trabalho não está explicitamente protegido por qualquer meio, incluindo copyright e patente.

1.7- Acessar recursos computacionais e de comunicação somente quando autorizado.

Indivíduos e organizações têm o direito de restringir o acesso aos seus sistemas, desde que nao viole o ítem 1.4. Ninguém deve entrar ou usar sistemas, softwares ou arquivos de outros sem permissão. Sempre deve ser obtida a aprovação antes de usar recursos, incluindo canais de comunicação, arquivos, periféricos e tempo de máquina.

1.8- Respeitar a privacidade de outros.

É responsabilidade dos profissionais manter a privacidade e integridade de dados de indivíduos. Isto inclui tomar precauções para assegurar a precisão dos dados, como também protegê-los de acesso acidental a indivíduos não autorizados. Devem ser planejados procedimentos para permitir aos indivíduos rever seus registros e corrigir imprecisões. Este imperativo implica que somente a quantidade necessária de informações pessoais deve ser armazenada em um sistema, que o período de retenção e eliminação para estas informações devem ser claramente definidas e cumpridas e que informações pessoais obtidas para um propósito específico não podem ser usada para outros fins sem o consentimento do indivíduo.

1.9- Honrar a confidencialidade.

O princípio da honestidade se estende a questões de confidencialidade de informações sempre que alguém faz uma promessa explícita de honrar a confidencialidade ou, implicitamente, quando informações privadas não diretamente relacionadas às obrigações de alguém se tornam disponíveis.

Outros imperativos adicionais, sobre liderança e concordância com o código também são propostos.

Alguns exemplos simples de falta de ética profissional na área de TI:

  • Enganar ou tirar vantagem de alguém que não seja da área: dizer que não é possível fazer algo que na realidade é, explicação errônea sobre algo, venda de algo que não é necessário dizendo que é, entre outros;
  • Quebra de sigilo: sair de uma empresa para outra e fornecer dados ou levar informações da empresa antiga, dar acesso a informações sigilosas para terceiros;
  • Discriminação: não fornecer informações sobre computação para pessoas por julgar que as mesmas não vão entender. Será ela que não entende ou você que não sabe explicar?
  • Pirataria: Sem maiores explicações. A pirataria hoje é tão comum quanto beber água. O que você faria se um software ou serviço criado por você fosse pirateado por ai?
  • Conceder créditos apropriados: não reconhecer um esforço de alguém da equipe, ou pior: tomar para si uma idéia ou esforço de outro colega de trabalho;
  • Prejudicar os outros: sair de uma empresa sem dar nenhum suporte às antigas responsabilidades, ou até pior: excluir arquivos ou códigos de sistemas de forma proposital.

Isso tudo sem contar casos onde pessoas infectam computadores com vírus de forma proposital, invadem sistemas ou sites, entre outros crimes computacionais.

A aderência do código da ACM ou qualquer outro similar, hoje, é voluntária. Cabe a cada um agir de acordo com o seu caráter.

Referências:

http://www.acm.org/about/code-of-ethics

http://ia.ucpel.tche.br/~lpalazzo/Aulas/CS/Codigo%20de%20Etica%20e%20Conduta%20Profissional%20da%20ACM.htm

http://www.sied.com.br/sys/prof_arquivos/A%20%C3%A9tica%20do%20profissional%20da%20inform%C3%A1tica.htm

Deixe um Comentário

0 Comentários.

Deixe um Comentário


NOTA - Você pode usar estesHTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>